terça-feira, 31 de agosto de 2010

Flávio Dino destaca iniciativas para agronegócio e infraestrutura na região Tocantina


O candidato ao governo do Maranhão, Flávio Dino, afirmou que concluirá, em seu governo, o zoneamento econômico e ecológico do estado. Segundo explicou Flávio Dino, a iniciativa é importante para beneficiar a produção de alimentos e a agricultura de exportação. "São atividades importantes por serem grandes geradoras de emprego e renda, por isso devem receber apoio prioritário", disse Flávio Dino.


Flávio disse ainda que entraves burocráticos emperram um desenvolvimento maior da agricultura no estado. "A região tocantina e o Sul do estado precisam que entraves burocráticos sejam removidos para garantir que tanto a agricultura de exportação quanto a agricultura familiar tenham espaço para crescer, com garantia de assistência técnica e escoamento da produção. Vamos ter ações de governo que levem isso em consideração", afirmou Flávio Dino.

Infraestrutura

Como parte das ações para garantir geração de emprego e renda e o crescimento da atividade agrícola no estado, Flávio Dino também destacou os investimentos em infraestrutura da região. Ele ressaltou iniciativas como a construção da ponte que, em Imperatriz, liga o Maranhão ao Tocantins e reforçou a importância de uma malha ferroviária e rodoviária eficazes.

O candidato destacou ainda que, embora a região tenha uma boa malha ferroviária e as rodovias federais estejam em boas condições, as estradas estaduais merecem atenção especial, já que várias delas, disse Flávio Dino, estão em péssimas condições. "Para a economia gerar riqueza para todos, precisa crescer. É por isso que considero fundamental o investimento em infraestrutura e transporte", disse Flávio Dino.

Recepção é calorosa no aeroporto de Imperatriz

É a quarta visita de Flávio Dino a Imperatriz desde o início da campanha. O candidato da coligação Muda Maranhão chegou a Imperatriz por volta das 14h30, em voo vindo de Brasília. Ele foi recebido no saguão do aeroporto por numerosos militantes e lideranças políticas, dentre elas vários petistas. Sob muitos aplausos e gritos de "Renovação, Renovação, Flávio Dino vai mudar o Maranhão", o candidato acenou positivamente e cumprimentou o grupo.

Do lado de fora, carros de som já esperavam o candidato. O grupo já saiu do terminal do aeroporto em carreata. A fila de carros percorreu o bairro da Vilinha, cumprimentando a população. De lá, Flávio e sua comitiva seguiram para Açailândia, onde caminharam pela Vila Ildemar.

Na terça-feira, toda a programação deverá ser na cidade de Imperatriz. Flávio deverá caminhar pelos bairros do Bacuri, Vila Lobão, Vila Nova e Santa Rita. À noite, participa de cerimônia de lançamento do site do candidato ao Senado pelo PCdoB, Adonilson Lima.

ZÉ REINALDO QUER ENFRENTAR SARNEY NO SENADO, DE IGUAL PARA IGUAL.

O candidato a senador pelo Maranhão, ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB), participa na manhã de hoje (31), de uma entrevista nos estúdios da TV Band, na cidade de Imperatriz, apresentado por Josevan Matos. O programa na Boca do Povo está fazendo uma rodada de entrevistas com os postulantes ao Senado Federal para apresentar aos telespectadores as propostas e o histórico político dos candidatos.


Zé Reinaldo falou sobre o desejo de ser eleito, suas propostas enquanto senador e, também, sobre a falta de representatividade do Maranhão no Senado Federal. Durante o programa, ele respondeu perguntas do apresentador Josevan Matos e esclareceu temas tidos por alguns como polêmicos. Confira os principais assuntos tratados.

CANDIDATURA AO SENADO

“São os senadores que ajudam o país a ser governado, por isso a importância deles. Entretanto, os do Maranhão são muito desacreditados e ninguém conhece o trabalho que eles fazem. Eles não aparecem, eles não defendem nada de interesse do Maranhão. Os senadores que representam hoje o estado fazem parte de um grupo político. Vou ser senador do Maranhão porque não devo nada a ninguém e para que o estado saia do domínio do Sarney”.

GOVERNO ZÉ REINALDO

“Meu governo quebrou a tradição porque a maior parte dos governadores saia sem precisar trabalhar. Eu não. Essa questão de honestidade pode ser apontada em toda a minha vida e o Maranhão precisa dar esse exemplo. No meu governo o dinheiro apareceu. Falei ainda há pouco com um empresário e ele disse que naquele período a economia cresceu. Por que? Porque o dinheiro não foi desviado. Na oligarquia são vários escândalos de lavagem de dinheiro. No meu governo, ele foi usado para construir mais de 400 escolas, a ponte aqui de Imperatriz e para outros projetos. O Maranhão precisa de gente que tenha compromisso com o estado e não com o poder”.

FALTA DE REPRESENTATIVIDADE NO SENADO

“Falta quem se interessa pela dignidade do povo. Vou estar perto do povo, reunir nos assentamentos para conhecer as necessidades, ir aos interiores para conhecer a realidade. Vou ser senador que vai prestar conta, vai estar junto com a população para ver os problemas que tem que ser resolvidos e encontrar solução. Sou candidato para defender os interesses do nosso estado”.

PLANOS

“Não penso em ser governador novamente. Estamos vendo o que dá a continuidade no poder. Poder excessivo deforma a pessoa. No Ceará as coisas melhoraram porque mudou a política. O Maranhão é visto como uma terra acovardada com medo de Sarney. Esse negócio de oligarquia, continuísmo não existe. Quero que haja renovação porque vai fazer bem para o estado. É positiva a alternância de poder. Quero servir bem como senador, defender o Maranhão como nenhum outro fez e enfrentar o Sarney de igual para igual”.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

PARECER DA VICE PROCURADORA DA REPÚBLICA PEDE A CASSAÇÃO DA CANDIDATURA DE ROSEANA SARNEY.

A vice-procuradora geral eleitoral Sandra Cureau emitiu parecer contrário ao registro da candidatura da governadora Roseana Sarney (PMDB). Cureau manifestou-se a favor de que seja acatado o recurso impetrado pelo ex-deputado Aderson Lago (PSDB) no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), para que seja cassado o registro da candidatura da governadora Roseana Sarney.


Segundo o advogado Rodrigo Lago, a vice-procuradora geral eleitoral considerou Roseana “ficha suja”, pedindo em seu parecer que o TSE casse o registro da candidatura da governadora maranhense.

Logo após o período de pedido de registro de candidaturas, Aderson Lago impugnou a candidatura de Roseana alegando a existência de três processos nos quais ela fora condenada. São duas ações populares e uma condenação que, para o ex-deputado, é a mais grave de todas: a condenação por propaganda antecipada.

Esta propaganda, de acordo com Aderson Lago, foi feita com recursos públicos depreciando as administrações anteriores à de Roseana Sarney: os governos de Jackson Lago e José Reinaldo Tavares. Por conta desta propaganda antecipada, Roseana foi condenada pelo TRE-MA, mas recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral com um recurso até agora não submetido a julgamento pelos ministros do TSE.

OS ERROS DO IBOPE NO MARANHÃO SÃO ENUMERADOS POR ZÉ REINALDO



O candidato a senador pelo Maranhão, ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB), criticou a pesquisa do Ibope e comparou o cenário atual ao de 2006, quando os números divulgados em todas as rodadas de pesquisas feitas pelo mesmo instituto apontaram vitória de Roseana Sarney em primeiro turno. A eleição foi decidida em segundo turno e a filha de Sarney foi derrotada por Jackson Lago (PDT). A pesquisa de intenção de votos para governador do Maranhão, realizada pelo Ibope, foi divulgada na sexta-feira, 27, pela TV Mirante, de propriedade da família Sarney.


“Vamos votar no Flávio Dino que é candidato a governador e vai vencer as eleições. Porque ela (Roseana Sarney) só cai e só Flávio cresce. Em 2006, o Ibope colocava: ‘Roseana ganha em 1º turno com 70%. Olha o desespero, vão colocá-la lá em cima e o Flávio lá em baixo. Mas é mentira, não acreditem. É essa brincadeira que atrapalha o Maranhão”, criticou o ex-governador.

Zé Reinaldo citou o extenso histórico de erros do Ibope nos prognósticos eleitorais no Maranhão. Nas eleições para governador do Estado, em 2006, o Ibope também foi contratado pela TV Mirante para avaliar o cenário das intenções de voto no Maranhão. Todas as pesquisas foram desmentidas pelas urnas.

Uma delas, publicada por “O Estado do Maranhão” em 14 de agosto daquele ano, afirmava que “70% dos maranhenses dão como certa vitória de Roseana Sarney”. Jackson Lago (PDT), eleito governador no segundo turno daquele ano, aparecia com tímidos 12% dos eleitores.




Com levantamento também em São Luís, o Ibope mostrou que em 9 de julho, Roseana tinha 41% dos eleitores da capital, subiu para 53% em 12 de agosto e em 24 de agosto, já tinha 54%. O candidato pedetista, nos mesmos períodos, oscilou negativamente de 30% para 29% e, por último, para 27%. Após a apuração dos votos a derrota de Roseana Sarney em São Luís foi acachapante.

Dia 27 de agosto, o Ibope disse registrar novo crescimento de Roseana após início de campanha na TV. A matéria afirmava que se as eleições fossem naquele dia, Roseana Sarney seria eleita no 1º turno com uma grande diferença sobre os demais candidatos. Pesquisa apontava a tendência de crescimento após o início da propaganda eleitoral no rádio e na TV e chegou aos 66% das intenções de voto. Seu adversário mais próximo, Jackson Lago (PDT) aparecia com 20%, 46 pontos percentuais atrás da candidata pefelista.



Outra pesquisa do mesmo instituto, em 1º de setembro, dizia que estava consolidada a candidatura de Roseana Sarney ao Governo do Estado. No ‘voto espontâneo’, aquele em que o eleitor se manifesta antes de se ver diante da relação de candidatos, ela estaria naquela data com 47%, quase cinco vezes mais do que Jackson Lago.



ERRO NA DISPUTA PELO SENADO


Outro erro do Ibope, em 29 de agosto, uma pesquisa sobre o cenário estimado para as eleições do Senado, apontou o candidato do PT Bira do Pindaré como o mais rejeitado entre os postulantes. Nas urnas, ele apareceu com mais de 500 mil votos e foi a grande surpresa da eleição.

Dia 13 de agosto, o Ibope divulgou que a candidata Roseana aumentava sua vantagem sobre Jackson Lago, chegando a 70% dos votos válidos. O candidato da “Frente de Libertação do Maranhão”, Jackson Lago, ficaria em segundo lugar, com 21% dos votos, uma diferença de 42 pontos percentuais em favor da senadora. Segundo a pesquisa, Roseana Sarney venceria no primeiro turno.


Assim como na pesquisa divulgada recentemente, na época o Ibope afirmou que a filha de Sarney liderava em São Luís. Segundo o instituto, na capital a candidata Roseana Sarney teria 53% das intenções de voto, contra 29% do ex-prefeito Jackson Lago, o que também foi descartado nas urnas no dia das eleições. Roseana foi derrotada por grande margem de votos na capital.




SÃO LUÍS 2008




Em 2008, por exemplo, o instituto realizou pesquisa em que apontava João Castelo (PSDB) com 46% das intenções de votos, enquanto Flávio Dino (PCdoB) aparecia com 24%. Ao término da apuração, Flávio Dino foi para o 2° turno com 34% dos votos. Ou seja, 10 pontos percentuais a mais que o índice previsto pelo Ibope.


BOICOTE


Zé Reinaldo voltou a criticar a falha na transmissão dos programas eleitorais de candidatos da oposição, em especial ao de Jackson Lago (PDT) e Flávio Dino. Na quarta-feira passada, um ruído impediu que os expectadores entendessem o áudio nos vídeos. “Eles comandam o sistema de televisão o ano inteiro e não deixam a gente falar. Na hora que podemos, também não deixam. É um povo que só vai no tapetão. Em uma caminhada no Monte Castelo, uma senhora perguntou se tínhamos visto a propaganda em que ela [Roseana Sarney] cozinha carne moída e quiabo e comparou: ‘Nós somos a carne porque estamos moídos com o governo dela e quiabo porque estamos todos lisos’. Flávio é o candidato que o Maranhão está esperando, vamos dar uma chance ao nosso estado”, disse Zé Reinaldo.

FLÁVIO DINO E ZÉ REINALDO LIDERAM MAIS UMA GRANDE CARREATA EM SÃO LUIS.



Candidato ao governo do Maranhão, Flávio Dino, liderou, neste domingo, dia 29, mais uma grande carreta pelas ruas da Cidade Operária e Cidade Olímpica. Foram quase três horas de atividade e centenas de carros acompanhando o candidato da Coligação Muda Maranhão.


“Aqui está o termômetro da minha candidatura. A resposta da população com acenos e sinal de positivo na Cidade Operária reafirma o sentimento de renovação, de mudança, que observamos também nas viagens pelo interior do nosso estado”, diz Flávio entusiasmado com a boa aceitação a mais essa atividade de campanha de sua candidatura. O candidato veio direto do interior do estado onde cumpria mais uma agenda de campanha para liderar a carreata da Cidade Operária.

Para o coordenador da campanha de Flávio Dino em São Luís Geraldo Castro, a carreata deste domingo na Cidade Operária expressa o sentimento que toma conta de todos, que é o crescimento da campanha. “Há uma vigorosa aceitação de toda a população”, garante Geraldo Castro. De acordo com o coordenador, a meta, agora, é intensificar ainda mais a campanha de Flávio Dino em São Luís e garantir a vitória em outubro.

A aceitação ao nome de Flávio Dino, segundo Geraldo Castro, tem crescido a cada atividade de rua. É comum, segundo ele, as pessoas pararem seus carros para abraçar e cumprimentar o candidato. Foi assim na carreata realizada na Cohab, na última quarta-feira, e foi assim neste domingo na Cidade Operária e na Cidade Olímpica. Durante o percurso muitas pessoas acenavam para Flávio e faziam sinal de positivo. “Estamos muito confiantes de que vamos sair vitoriosos em outubro e estamos demonstrando isso com maus uma carreata de grande adesão”, afirmou Flávio Dino.

Nesta segunda-feira, Flávio Dino retorna ao sul do estado. Ele participará de diversas atividades de campanha em Imperatriz e Açailândia. Serão caminhadas, carreatas e reuniões na região onde ele fica até esta terça-feira. Hoje (segunda-feira) a coordenação de campanha realiza mais uma plenária da militância a partir das 18h no comitê da Beira-Mar.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

CRESCIMENTO DA CANDIDATURA DE ZE REINALDO, INCOMODA A OLIGARQUIA SARNEY, DIZ FLÁVIO DINO



O candidato a governador pela Coligação Muda Maranhão, deputado federal Flávio Dino (PCdoB) destacou a atitude corajosa do ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB) em romper com o grupo Sarney e afirmou que o crescimento de sua candidatura ao Senado incomoda seus adversários.


“O rompimento em 2005 foi um gesto de coragem e de importância para o Maranhão. O ex-governador é hoje candidato ao Senado e apoiamos o candidato ao Senado José Reinaldo Tavares e não temos constrangimento nisso. Pelo contrário, fazemos campanha juntos e as pesquisas mostram, inclusive, que ele está muito bem posicionado na disputa e creio que isso tem gerado incômodo”, afirmou Flávio Dino, durante entrevista concedida à Rádio Mirante AM.

O deputado comunista citou ainda que Zé Reinaldo é uma pessoa experiente, se integrou a um partido aliado, que é o PSB, presidido pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos, aliado nacional do PCdoB e do PT, sendo lógica e coerente o apoio recíproco.

CAMINHADA DE FLÁVIO DINO EMPOLGA POPULAÇÃO DE PINHEIRO



Uma multidão acompanhou Flávio Dino, candidato ao governo do Maranhão, em mais de duas horas de caminhada pelas ruas da cidade de Pinheiro. Durante o percurso, Flávio foi saudado pelos moradores da cidade, que espontaneamente acompanharam o candidato até a praça José Sarney onde ele realizou um grande comício. O candidato da coligação Muda Maranhão conclamou os pinheirenses a se engajaram nessa grande onda da mudança que está, segundo ele, tomando conta do estado. “É grande o sentimento de renovação da política em nosso estado”, disse. E continuou: “O Momento é: continuar os mudar”.


Essa foi a segunda visita de Flávio Dino à cidade de Pinheiro. Em ambos os momentos, a recepção foi bastante calorosa e de entusiasmo. “Estou confiante com a força que vem das ruas, do contato com o povo, como o olho no olho, que nós vamos ganhar as eleições em 3 de outubro”, afirmou.

Flávio disse que a educação será uma das prioridades de seu governo. “Vamos ampliar o ensino médio e abrir mais 100 escolas técnicas no Maranhão”, garantiu. Flávio anunciou, ainda, ser seu compromisso eliminar o analfabetismo no estado. Disse, ainda, quedará mais incentivo a professores e servidores da área da educação. “Não há como falar em qualidade na educação sem que os servidores não estejam motivados, não sejam valorizados”, argumentou.

Durante a visita à cidade de Pinheiro, Flávio Dino recebeu o apoio de várias lideranças políticas da região e contou, mais uma vez, com a presença de militantes petistas, que apóiam sua candidatura. Flávio aproveitou para dizer que fará um governo de apoio a todos os prefeitos maranhenses independente de sua posição política. “No meu governo não haverá perseguição. Não haverá prefeitos amigos e prefeitos inimigos”, garantiu.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

ZÉ REINALDO REAFIRMA: ROSEANA SARNEY É TOTALMENTE DESPREPARADA PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA


DO BLOG MHÁRIO LINCOLN 
ENTREVISTA COM ZÉ REINALDO


Entrevistador: Hélcio Silva

(Articulista de Política do PMLB).

Foto: Google e PMLB

Hélcio – Depois de Vitorino, instalou-se no Maranhão um forte grupo político com apoio popular, que tinha como principal missão desenvolver o Estado, até então com atividade econômica voltada apenas para agricultura. O que falhou no projeto, pois o Estado continua no mesmo atraso político e econômico?

Zé Reinaldo – “Esse movimento, como você chama, teve ajuda dos militares, principalmente do Marechal Castelo Branco que se encantou com José Sarney. Assim muitas coisas começaram a acontecer no país e no Maranhão que trouxeram grande popularidade ao seu líder o governador José Sarney. A partir daí Sarney se dedicou inteiramente à consolidação do poder no Estado e a busca por uma participação maior no poder nacional. E o desenvolvimento do estado passou para plano inferior”.

Hélcio – O Sr. participou desse grupo, evoluiu com o grupo, planejou com o grupo, exerceu os principais cargos públicos no Estado, além de ter sido ministro da República, sente-se também responsável pelo atraso em que se encontra o Estado?

Zé Reinaldo – “Fui escolhido para dirigir o DER sem nunca ter me encontrado com Sarney. Meu pai votava em Renato Archer e eu era diretor do DER do Ceará e professor auxiliar da Escola de Engenharia da Universidade Federal do Ceará, onde me formei. Voltei para o Maranhão porque meu pai adquiriu um câncer terminal, daí eu resolvi voltar para ajudar a minha mãe e ajudar na criação de cinco irmãos. Depois do êxito do meu trabalho no DER, Sarney me indicou para vários cargos e me pediu para não aceitar o cargo de Secretário de Viação e Obras Públicas do estado do Ceará, convidado por Cesar Cals. Só entrei na política em 1990 quando me elegi deputado federal. Em 1994 eu era candidato a reeleição para deputado federal quando Sarney reuniu João Alberto, Lobão, Roseana, e outros para fazer um apelo para que eu aceitasse ser vice-governador na chapa de Roseana fortalecendo a chapa de quem nunca tinha dirigido nada até então. Todos sabem que fui excluído das decisões no governo da filha de Sarney por Jorge Murad e não era o candidato dela à sua sucessão como era notório na época. Só fui candidato por causa do episódio Lunus que nocauteou Roseana. Todos sabem que quando assumi o governo a primeira coisa que fiz foi chamar o IPEA e o IBGE para discutir os motivos que levaram o Maranhão a tanta pobreza. E a causa era clara: a falta de compromisso com a população durante tantos anos. E passei a corrigir o que achava errado”.

Hélcio – O seu governo também fez parte desses mais de quarenta anos de atraso. O Sr. considera sua administração, à frente do governo do Estado, como contribuinte para o caos que hoje se revela?... Aliás, o sr. considera o governo Roseana um caos ou um progresso?

Zé Reinaldo – “O governo da Sra. Roseana Sarney considera que os dois governos anteriores de Roseana, juntos com o de Edson Lobão, formaram o que foi chamado de “década perdida” para o Estado. Efetivamente o Maranhão na década de 90 cresceu muito menos do que o Nordeste e do que o Brasil, em todos os anos conforme dados do IBGE transcritos no trabalho publicado pela Secretaria de Planejamento do Estado no quarto trimestre de 2009 sobre indicadores da economia maranhense nos últimos anos. Portanto a avaliação é de que os governos anteriores de Roseana ficaram bem próximos do caos, feita pelo atual governo dela. Nesse mesmo trabalho, página adiante, encontramos a informação de que tudo mudou entre 2002 e 2007, quando o Maranhão cresceu muito mais do que o Nordeste e do que o Brasil em todos esses anos, período do meu governo. Eles mesmos respondem o que está sendo indagado. Efetivamente nesse período o PIB passou de 15 para 32 bilhões de reais, mais do que dobrando de tamanho e a renda per capita triplicou no período. Além de grande melhoria em todos os indicadores sociais”.

Hélcio - O nome preparado para romper o vitorinismo no Maranhão era Lino Machado. Com a derrota de Lino em 1947, outros nomes surgiram com grande potencial político até a eleição de 1965, com a vitória do Sarney. Insistiu-se muito, nesse intervalo de tempo, pelas candidaturas de Milet ou La Roque. Fosse um dos dois, o Maranhão teria mudado, livrando-se desse patamar de atraso?

Zé Reinaldo – “Não tenho como dar uma resposta a essa pergunta”.

Hélcio – O senador Sarney foi um atraso para o Maranhão? Ele não estava preparado para governar?

Zé Reinaldo – “Ele, como governador soube aproveitar bem a amizade que tinha com os militares e fez um bom governo para a época”.

Hélcio - Muita gente não sabe realmente por que o Sr. rompeu com o Sarney. Parece segredo de estado. Mas poderemos saber as razões pelas quais, ainda jovem, o Sr. aliou-se ao Sarney? Empolgou-se alguma vez crendo que Sarney era um estadista?

Zé Reinaldo – “A revista Isto É publicou, sem contestação, uma entrevista minha expondo os motivos do rompimento. E não é segredo, assim. O motivo real foi a solicitação de José Sarney para que eu apoiasse o seu filho Sarney Filho como candidato à minha sucessão. Roseana Sarney não gostou e o pai deve ter respondido a ela, quando questionado, sobre o porquê do apoio, que aquilo era iniciativa minha e aí ela resolveu tentar destruir o meu governo. Também ela não se conformava por eu não permiti interferências dela no meu governo. Quem rompeu foi ela e depois foi acompanhada pelo pai. Eu não me aliei jovem a Sarney. Quem me convidou para trabalhar no Maranhão foi Vicente Fialho na época Diretor Geral do DER. Quando foi nomeado para Prefeito de São Luis me indicou para ficar no lugar dele. Nem conhecia Sarney. O sucesso do meu trabalho é que aproximou Sarney de mim. Todos nós jovens técnicos pensávamos que Sarney era um estadista, como pode atestar Edson Vidigal, Lourenço Vieira da Silva e outros. Depois veio a decepção”.

Hélcio – O Sr. tem ódio do Sarney? Aceitaria participar de um almoço com ele?

Zé Reinaldo – “Não tenho ódio nenhum, já o derrotei. Nessa época quem extravasou seu ódio foi ele em um tresloucado artigo, assinado por ele e publicado em seu jornal quando Jackson assumiu. Esse almoço não tem nenhum motivo para acontecer, de parte a parte”.

Hélcio – O Sr. foi vice de Roseana, participou da administração dela. Considera a governadora competente?

Zé Reinaldo – “Roseana é totalmente despreparada para a administração pública".

Helcio – A oposição está dividida. Não seria melhor, com uma só candidatura? O Jackson é teimoso?

Zé Reinaldo – “Acredito que o melhor são duas candidaturas. O Jackson é um homem de bem com fortes convicções”.

Hélcio – O Flávio está preparado para derrotar Roseana? O Sr. acredita nessa possibilidade?

Zé Reinaldo – “O Flávio não só está preparado como vai efetivamente derrotá-la e fazer um grande governo”.

Hélcio – O senador Mauro Fecury que é seu amigo e amigo do Sarney tentou em algum momento uma reaproximação entre o Sr. e o dr. Sarney?

Zé Reinaldo – “Sim, algumas vezes. A briga entre amigos comuns dele não o deixa à vontade”.

Hélcio – O rompimento com o Sarney foi um caso político ou pesou alguma questão pessoal?

Zé Reinaldo – “Já falei sobre isso”.

Hélcio – Por que o Sr. não topou a parada para ser candidato ao Governo do Estado? Ficou com medo de perder para Roseana?

Zé Reinaldo – “As pesquisas mostram que mais de 60% da população quer uma solução nova para o Maranhão. Estão cansados. Assim, não sou eu nem Roseana. É Flávio Dino”.

Hélcio – Quais são os seus planos se for eleito senador da República?

Zé Reinaldo – “Sofri muito quando governador porque não contava com o apoio de nenhum senador. É notório o caso da aprovação do empréstimo do Banco Mundial para combate a pobreza que só consegui romper o bloqueio montado por José Sarney depois de três anos de luta. O golpe contra Jackson Lago foi montado no Senado e foi facilitado por falta de um senador ligado contra a oligarquia. Os atuais senadores votaram contra a partilha igualitária dos recursos do Pré-Sal que daria R$ 1,7 bilhão por ano ao Maranhão porque Sarney pediu a eles para votar de acordo com os desejos do presidente Lula. Eles não são senadores do Maranhão. São do Sarney o que é péssimo para o Maranhão. Eles nem frequentam a TV Senado e não são vistos defendendo o Maranhão. É preciso, para o bem da população, quebrar esse ambiente que existe no Senado. Quero enfrentar essa situação e mudar a história do Senado em relação ao Maranhão”.

Hélcio – O Sr. tem projeto para ser candidato ao governo do Maranhão em 2014?

Zé Reinaldo – “Não pretendo ser governador novamente. Já fui e sei que dei grande contribuição ao desenvolvimento do Estado. O Maranhão tem que ter alternância no poder. Fará bem ao Estado”.

Hélcio – Quem foi pior para o Maranhão, Sarney ou Vitorino?

Zé Reinaldo – “Foram tempos muito diferentes e só espero que não tenhamos mais nada parecido com o passado que eles simbolizam”.

Hélcio – O Sr. poderia fazer para o Portal uma análise técnica sobre a atual situação econômica do Estado do Maranhão?

Zé Reinaldo – “Quando assumi em 2002 o Maranhão estava quebrado. Arrecadava R$ 62 milhões de ICMS por mês e pagava R$ 50 milhões mensalmente de dívidas contraídas por governadores que me precederam. Quando saí, a arrecadação de ICMS era de R$ 230 milhões por mês e a dívida era apenas um pouco maior devido a atualização monetária. Não pedi empréstimos e não deixei dívidas de curto prazo a pagar e cerca de R$ 400 milhões no cofre. Roseana já conseguiu R$ 1 bilhão de empréstimos desnecessários e sem especificar para que, e faz uma administração perdulária e cheia de gastos com dispensas de licitação que podem ter embutido sobre-preços. Está gastando a rodo sem nada importante entre suas prioridades. Se o Brasil entrar em crise o Maranhão não agüenta, tal o desperdício desse governo”.

Hélcio – O que o Sr. achou da greve de fome do deputado Dutra? O Sr. seria capaz de fazer uma greve de fome em protesto contra o sarneysmo?

Zé Reinaldo – “Aplaudi Dutra pelo simbolismo dos motivos da grave. Mas não acredito em greve de fome contra o sarneysismo”.

Hélcio - O Sr. foi governador do Maranhão e sua administração será avaliada nesta eleição, o mesmo acontecendo com o senador Lobão, que também foi governador. Qual a diferença entre o seu governo e o governo de Lobão onde o povo pode tomar como base para decidir quem seria melhor para o Maranhão no Senado?

Zé Reinaldo – “Essa pergunta foi respondida pelo trabalho da Secretaria de Planejamento do governo Roseana Sarney como descrevi acima”.

Hélcio – Por que os governadores do Maranhão, incluindo o seu, o de Roseana, de Jackson e de Lobão não resolveram o problema da Segurança Pública no Estado, onde a violência predomina à vista de todos?

Zé Reinaldo – “No meu período, basta ver as estatísticas para verificar que o Maranhão era o que tinha os menores índices de criminalidade do país. Hoje até a polícia civil fez greve por falta de segurança e as igrejas pararam de realizar missas nas tardes de domingo por falta de segurança. O governo de Roseana é um horror em todos os setores”.

(*) José Reinaldo é engenheiro e ex-Governador do Maranhão.

Flávio Dino participa de plenária da CUT e afirma que incluirá plataforma em seu plano de governo

Durante plenária com integrantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Flávio Dino, garantiu a inclusão no seu plano de governo da Plataforma da CUT para as eleições 2010.O documento foi entregue ao candidato ao governo do Maranhão pelo secretário geral da CUT, Quintino Severo, durante a plenária realizada no hotel Holiday Inn na tarde de quarta-feira, 25.

 Ao reafirmar o seu compromisso com a classe trabalhadora, Flávio Dino relembrou aos presentes a sua história de trabalho junto aos sindicatos de trabalhadores. “O meu primeiro emprego foi como advogado de sindicato de trabalhadores. Escolhi o lado esquerdo do rio há 27 anos. Isso é um sinal de coerência política”, disse Flávio Dino.


O candidato da coligação “Muda Maranhão” também voltou a citar o seu apoio à ministra Dilma Roussef para a Presidência da República. “Tenho a candidata Dilma no meu coração, e o ideal do PT é algo que está presente na minha vida e na minha história desde 1989”, afirmou.

Ele criticou também os gastos do atual governo do Estado, comparando com vários rankings divulgados recentemente pelo governo federal, que mostram o Maranhão como um dos estados mais pobres do pais, com o menor número de municípios com saneamento básico e com cinco escolas entre as vinte piores do Brasil. “Como um governo que gasta cinco vezes mais com propaganda do que gasta com saneamento vai poder garantir inclusão social?”, indagou.

Flavio Dino concluiu afirmando que o caminho para o desenvolvimento do Maranhão é a ruptura com o modelo oligárquico. “O caminho é romper com esse modelo que temos hoje, para garantir a realização do projeto nacional e o desenvolvimento do Maranhão”.

Plataforma

A plataforma lançada pela CUT no Maranhão e apresentada aos candidatos a governador é composta de 223 propostas diferentes, divididas em três eixos principais, visando garantir o desenvolvimento do país com distribuição de renda, igualdade e justiça social. O secretário-geral da CUT, Quintino Severo, destacou a necessidade de valorização dos trabalhadores e de iniciativas que estabilizem o funcionário no emprego. Segundo estatísticas apresentadas por Quintino, no ano passado foram contratados 16,5 milhões de trabalhadores em todo o pais. No mesmo período, porém, 15 milhões foram demitidos.

Para o presidente da CUT no Maranhão, Nivaldo Araújo, o lançamento da plataforma é mais uma oportunidade de cobrar dos candidatos a vagas no poder Executivo ou Legislativo o cumprimento das reivindicações dos trabalhadores. “O nosso objetivo é que os candidatos se comprometam com essas causas, e implantem durantes os seus mandatos as medidas que estão aqui listadas”, disse ele.

Enquete feita por blogueiro da Mirante mostra que a luta de João Alberto para chegar ao senado é uma missão impossível



Do blog do Ricardo Santos

Não é por acaso que aliados próximos do vice-governador João Alberto, postulante a uma vaga de senador nestas eleições comentam que ele anda triste e acabrunhado com o resultado das últimas pesquisas para o senado mostrando que o ex-governador José Reinaldo Tavares, também concorrente a uma a uma cadeira senatorial já o teria ultrapassado nas intenções de voto.


João Alberto, na verdade nunca quis concorrer ao senado da república,pois, político experiente, sabia que seria muito difícil superar tanto seu aliado Edison Lobão, quanto José Reinaldo, e nunca escondeu de ninguém sua preferência em continuar como vice na chapa encabeçada por Roseana Sarney, para o governo estadual.

Porém, teve que ser sacrificado por Roseana, que queria a todo custo o apoio do PT maranhense e para conseguir esse objetivo teve que entregar ao partido, além do comando de importante secretarias, também a vaga de vice-governador em sua chapa para o petista Washington Oliveira, relegando o “Carcará” a segundo plano.

A maior prova de que não fácil a situação de João Alberto, na corrida por uma vaga ao senado vem do próprio sistema mirante, de propriedade de sua aliada Roseana Sarney. O mais acessado blogueiro da mirante, postou em seu blog uma enquete perguntando aos internautas em quem votariam para senador e e se a eleição dependesse do resultado dessa enquete João Alberto já estaria acabado, embora a enquete reflita o que pensam as pessoas em relação aos candidatos.

Segundo a enquete feita no blog do miranteano, o atual vice-governador do estado aparece com míseros 2% na preferência dos internautas, perdendo para Roberto Rocha(PSDB) Vidigal(PSDB), José Reinaldo (PSB), Noleto(PSTU), Josivaldo Correa(PCB) e Lobão(PMDB).

Se João Alberto não conseguir se leger para o senado será um fim trágico na carreira política de um homem que pouco ou quase nada fez em benefício do Maranhão. Mas, que demonstrou coragem ao afirmar que não melhorava as condições de moradia dos pobres maranhenses por que estes gostavam mesmo era de morar em casas de taipa e que se declarava um político 10% desonesto.

Coligação Muda Maranhão vai recorrer à Justiça Eleitoral para mudar emissora geradora do horário político

Do jornal pequeno


A Coligação Muda Maranhão vai recorrer à Justiça Eleitoral para que seja realizado um novo sorteio para escolha da emissora geradora do horário político. A informação é do advogado da coligação, Carlos Eduardo Lula, que anunciou a medida após o programa gratuito de o candidato ao Governo do Maranhão, Flávio Dino, ter apresentado problemas técnicos durante sua exibição. Nesta quarta-feira, o problema identificado foi no áudio.



“Diante de tantos problemas técnicos que vêm ocorrendo não vimos outra alternativa senão recorrer à Justiça Eleitoral para a realização de um novo sorteio”, explicou o advogado. A produtora responsável pelo programa garante que a fita foi testada no momento de sua entrega à TV Cidade, responsável por gerar o horário eleitoral gratuito nas eleições deste ano, e estava em pleno funcionamento. O candidato Flávio Dino lamentou que apenas o seu programa e o do candidato Jackson Lago tem apresentado problema. “Continuam lançando mão de métodos antigos para ganhar a eleição à força”, criticou Dino.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Flávio Dino recebe apoio da população do Monte Castelo, em São Luís


A população do bairro do Monte Castelo recebeu com entusiasmo a visita do candidato ao governo do estado, Flávio Dino. Na tarde de terça-feira, 24, Flávio Dino caminhou pelas ruas do bairro, do posto Cocoma até a avenida Raimundo Corrêa, onde ele participou da inauguração do comitê de um candidato a deputado estadual do PT.




Ele reforçou a importância do apoio dos petistas para a sua campanha. "O governo Lula foi o melhor governo do Brasil. Precisamos que as melhorias trazidas para o povo por esse governo e que serão feitas também pela ministra Dilma cheguem ao Maranhão. É o que quero fazer em meu governo", disse Flávio Dino.



Durante a sua caminhada, Flávio Dino conversou com os moradores e reforçou o seu compromisso com questões essenciais para o bairro, como saneamento, habitação e segurança. Ele ressaltou a importância do apoio da população. "Tive uma excelente recepção no bairro do Monte Castelo. Para mim, isso aumenta a certeza de que vamos ao segundo turno e de que vamos vencer a eleição", disse Flávio Dino.



População



Maria da Graça Silva, moradora do Monte Castelo, disse que não é a primeira vez que vai votar em Flávio Dino. "Aqui em casa, nós o conhecemos de longa data. Votamos para prefeito e vamos votar mais uma vez para governador", disse ela.



Raquel Batista, que também mora no bairro, disse que tem certeza que Flávio Dino será o candidato vitorioso. "Ele merece ganhar, pela campanha que está fazendo e por tudo o que já fez como deputado federal. Votei para prefeito e vou votar de novo para governador. A gente precisa de um governante assim ", disse Raquel.



Nesta quarta-feira, 25, Flávio Dino continua a sua agenda de campanha em São Luís. Ele fará duas carreatas na cidade. A primeira será no bairro do Coroadinho. A concentração será na Avenida dos Africanos, a partir das 7h30. À noite, a carreata será nos bairros da Cohab e do Cohatrac, a partir das 18h.

ZÉ REINALDO: A OPOSIÇÃO ESTARÁ UNIDA NO SEGUNDO TURNO PARA ENFRENTAR E VENCER ROSEANA SARNEY.


Do Jornal Pequeno

Faltando 40 dias para as eleições de outubro, o candidato a senador pelo Maranhão, José Reinaldo Tavares (PSB), ex-governador do estado, participou na manhã de ontem (24) de uma entrevista nos estúdios da Rádio Educadora, durante o programa Roda Viva, apresentado por Silvan Alves. Ele foi o terceiro candidato ao Senado a falar para os ouvintes da emissora na série de entrevistas.




Por mais de 40 minutos, Zé Reinaldo falou sobre o cenário político do Maranhão, sobre a sucessão estadual, suas propostas enquanto senador e, também, sobre a união da oposição para enfrentar a oligarquia Sarney. Durante o programa, ele respondeu questionamentos e recebeu apoio de ouvintes e internautas. Confira os principais assuntos tratados.



CANDIDATURA AO SENADO



“Fiz um sacrifício na eleição de 2006 quando poderia ter me candidatado e sido eleito como senador, mas fiquei até o final para não permitir que (os Sarney) voltassem ao governo e continuasse o domínio do estado. Também sofri muito sem um senador do meu lado, todos que estão lá são do lado de Sarney. Até para aprovar um projeto contra a pobreza, com o Banco Mundial, fiquei três anos lutando porque estava engavetado no Senado Federal. O fato de não termos eleito um senador em 2006 facilitou a cassação do Jackson. Para resolvermos o problema do Maranhão, termos alternativa de poder, temos que ganhar no Senado. Mesmo estando fora do governo há tanto tempo, nas atividades de campanha, vejo que minha atitude foi correta e o povo quer um senador para o Maranhão”.



GOVERNO ILEGÍTIMO



“Partimos de uma ilegitimidade porque o governo que está aí não foi eleito. Eles anularam os votos para colocar Roseana lá. De outra maneira teriam que fazer novas eleições para seguir a Constituição e ela não venceria. O que está acontecendo hoje? Escolas sem ano letivo, a saúde está um caos, inauguraram um hospital e fecharam 10, o Pan Diamante e o Hospital do Ipem são exemplos. Como fechar hospitais que estão atendendo para esperar a construção de outros. Ela prometeu concluir as obras se reeleita. Está aí há 10 anos no governo e ainda pede para fazer no próximo? No interior é pior, crianças morrendo por falta de UTI. Em Imperatriz já são 35. A Polícia Civil chegou ao extremo de fazer greve por mais segurança e as igrejas não celebram missas por insegurança. A situação está caótica no estado e vemos a busca desenfreada pelo poder. A rejeição desse governo é grande e existe, muito forte, o espírito de renovação no nosso estado, o que vai dominar as eleições”.



DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS



“Os processos de Roseana, realmente, nunca são julgados. Quando teve a queda do Jackson, havia um processo igual contra ela e até hoje nunca foi julgado, não passa do Ministério Público Federal (MPF). Tem outros processos contra ela, como o do caso Usimar e da Lunus que nunca chegou ao término”.


SUCESSÃO ESTADUAL

“A Roseana tem apenas 35% dos votos. Podem publicar os números que quiserem, mas há dados técnicos que apontam esse índice. O Flávio é o único que, as pesquisas encomendadas pela própria candidata da oposição, vem crescendo com a proximidade das eleições. A Roseana tem medo desse avanço do Flávio. Os interesses da Roseana não é o povo, são outros. Eles só pensam em ter poder para ter força no Governo Federal. O Maranhão quer mudar, fechar essa página. Esse pessoal já mostrou ao que veio. O Maranhão já virou notícia internacional por conta desse sistema medieval fixado aqui. As obras inauguradas no Maranhão, por exemplo. A Roseana não dá crédito de quem fez. Quando deixei o governo, o Jackson inaugurou obras minhas, entre elas, 35 colégios de grande porte com ginásios esportivos. Quando foi inaugurar, o Jackson me convidou para participar. A ponte que liga o Maranhão ao Tocantins que eu comecei, deixei o projeto bem definido, o Jackson concluiu, ela foi inaugurar de novo e ainda mudou o nome”.

OPOSIÇÃO UNIDA

“Sei da importância que tive no processo político do Maranhão. A oposição tinha históricas desavenças e foi a primeira vez que apostamos na Frente de Libertação e mostrou ao povo que estávamos unidos. A população queria ter a certeza que havia força política capaz de enfrentar o grupo Sarney. Ela se formará novamente no segundo turno, em acordo já feito. Teremos todos os candidatos da oposição no mesmo palanque para enfrentar e vencer Roseana Sarney”.

FLÁVIO DINO DEFENDE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES EM TODOS OS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO MARANHÃO




Do jornal pequeno

O candidato Flávio Dino defendeu, nesta terça-feira, na plenária das mulheres organizada por membros da Frente Renovação, Muda Maranhão, que apóia o nome do parlamentar para o Governo do Estado, uma política para as mulheres que atinja todos os municípios maranhenses. Para o deputado, as ações atualmente desenvolvidas chegam a poucas cidades do estado. O resultado disso, na opinião de Flávio Dino, é que a mulher maranhense é pouco assistida pelo poder público, o que exigirá do seu governo uma ação mais efetiva nessa área.


“A história da humanidade é feita de inúmeras injustiças e desigualdades em desfavor das mulheres, nos vários aspectos da vida em sociedade - tanto no mercado de trabalho quanto na política, são freqüentes os casos de desrespeito e preconceito de gênero”, ressaltou.

Plenária no comitê de Flávio Dino reuniu centenas de mulheres


Durante o encontro, Flávio assumiu o compromisso de criar creches – para que a mulher possa compatibilizar o direito à maternidade com o direito ao trabalho – combate à mortalidade materna, política de proteção às mulheres, entre outros. Sobre a política de proteção à mulher, Flávio disse ser necessário o fortalecimento de programas e medidas de combate à violência, tais como: Centros de Referência da Mulher com atendimentos sociais, jurídicos e psicológicos às mulheres em situação de violência, Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher, abrigos temporários para as mulheres em situação de violência, acompanhadas de seus filhos. Para o candidato, é inaceitável no atual momento da história brasileira que casos de violência doméstica sejam aceitos com normalidade.

“Esses compromissos que firmo com vocês aqui são compromissos que fazem parte da minha história de vida. Desde muito cedo lutei por uma sociedade justa para todos, sem distinção. Eu sou fruto dessa política”, afirmou Flávio Dino. Em seguida, conclamou as mulheres presentes ao encontro para serem multiplicadoras das propostas de sua candidatura. “Essa batalha só será vencida com atuação firme dos movimentos sociais”, conclamou Flávio Dino. Para o candidato, é necessário buscar o pleno respeito aos direitos das mulheres.

O encontro reuniu candidatos a deputado federal e estadual da Coligação Muda Maranhão, além da vice-Miosótis e da única mulher eleita vereadora em São Luís, Rose Sales (PCdoB/MA)

O candidato Flávio Dino defendeu, nesta terça-feira, na plenária das mulheres organizada por membros da Frente Renovação, Muda Maranhão, que apóia o nome do parlamentar para o Governo do Estado, uma política para as mulheres que atinja todos os municípios maranhenses. Para o deputado, as ações atualmente desenvolvidas chegam a poucas cidades do estado. O resultado disso, na opinião de Flávio Dino, é que a mulher maranhense é pouco assistida pelo poder público, o que exigirá do seu governo uma ação mais efetiva nessa área.


“A história da humanidade é feita de inúmeras injustiças e desigualdades em desfavor das mulheres, nos vários aspectos da vida em sociedade - tanto no mercado de trabalho quanto na política, são freqüentes os casos de desrespeito e preconceito de gênero”, ressaltou.


terça-feira, 24 de agosto de 2010

PRESIDENTE MARCELO TAVARES COMEMORA SUCESSO DO RESTAURANTE DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO MARANHÃO


Do blog do Ricardo Santos

O restaurante da Assembléia Legislativa completou hoje, um mês de funcionamento com bons serviços prestados aos servidores e funcionários.

O presidente da Casa, deputado Marcelo Tavares, destacou que essa era uma antiga reivindicação dos servidores, que precisavam comprar quentinhas e ainda assim, não tinham um local apropriado para fazerem suas refeições.

 Marcelo Tavares exigiu que a empresa que tomasse conta do restaurante, fornecesse comida de qualidade a um preço baixo para os funcionários. Um serviço bom, com comida barata, esse é o maior sucesso do restaurante da AL.

DEPUTADO RUBENS PEREIRA JÚNIOR FAZ CARREATA GIGANTE EM MATÕES

O candidato a deputado estadual pelo PC do B, Rubens Pereira Júnior, organizou uma grande carreata no último sábado na vizinha cidade de Matões. 

O evento sacudiu a sede do município e contou com a presença da prefeita Sueli Pereira, do candidato a deputado federal, João da Gráfica, do ex-deputado Rubens Pereira e do vereador de Timon, Chagas Cigarreiro.

O evento teria contado com 576 motocicletas e 213 carros numa das maiores carretas já vista em Matões e que percorreu as principais ruas daquela cidade.

A carreata aconteceu em meio aos festejos do Divino do Espírito Santo que teve início na última quinta-feira e vai até domingo próximo. Este ano os festejos contarão com atrações como as bandas Aviões do Forró, Forró do Moído e Banda Reprise. (Blog do Elias Lacerda)

O MARANHÃO É GRANDE!



A candidata a deputada federal Alexandra Tavares (PSB) continua com força total na sua caminhada rumo á Câmara Federal. Por onde passa, Alexandra arrasta verdadeiras multidões. A ex-primeira-dama do Estado parou a Vila Palmeira neste sábado, com uma grande caminhada pelo bairro. Ex-secretária de Solidariedade Humana do Governo José Reinaldo, a socialista articulou e executou políticas inéditas para jovens, mulheres, idosos, negros e membros de segmentos excluídos da sociedade.

Medo de voltar ao trabalho

Entre as iniciativas de Alexandra que transformaram a realidade de milhares de pessoas, destacaram-se: Ações de combate ás drogas, com instalação de comitês escolares, conselhos de bairros e até ambulatórios para tratamento da dependência química; Caravana da Juventude, com ações educativas e de cidadania em municípios do interior; Programa Saúde na Escola que realizou mais de dois milhões de atendimentos odontológicos, auditivos e oftalmológicos gratuitamente, nas escolas públicas, com quase 90 consultórios para atender alunos da rede pública estadual; Mutirão da cidadania, com realização de quase 1 milhão e meio de atendimentos, entre emissão de documentos, consultas, exames, distribuição de óculos e medicamentos na capital e interior.

O Viva Cidadão que realizou mais de 9 milhões de atendimentos, desde a sua criação; Articulação com as políticas federais de combate á pobreza, beneficiando quase 400 mil famílias com o programa Bolsa Família, do Governo Lula; Aprovação do projeto de lei que concede pensão a companheiro (a) de casal homossexual, que sejam funcionários públicos estaduais; Indenização às famílias de crianças emasculadas, vítima de um crime bárbaro, resultado de um acordo inédito no Brasil, do Governo do Estado com a O.E.A (Organização dos Estados Americanos) e muitas outras. 

Eis a explicação porque o grupo Sarney morre de medo de Alexandra ser eleita: medo dela realmente voltar ao trabalho.


PARENTES DE SARNEY AGEM COMO CUPINS NA FOLHA DE PAGAMENTO DO MUNICÍPIO COM MENOR IDH DO ESTADO DO MARANHÃO



Do blog do Luis Cardoso

Depois da descoberta de irmãos, sobrinhos e genro dos filhos pendurados nos cabides ocultos do Senado Federal, o presidente do Congresso Nacional, senador José Sarney, foi obrigado a jogar toda a parentalha no olho da rua.
Afortunados, não dispensavam nem mesmo salários de R$ 2 mil das contratações secretas (aquelas que Sarney não mandava publicar no Diário Oficial do Senado). Restou provado ao país que ganhar em cargos públicos é um hábito rotineiro da família.
Agora, a folha de pagamento da Prefeitura de Paço do Lumiar (leia post abaixo com todos os nomes) exibe mais parentes de Sarney agindo como cupins em um dos municípios com o menor IDH do Maranhão.
Corroem a miserável folha de Paço do Lumiar, Marcelo Sarney Costa Lobão, com R$ 2.590,00 mensais, filho do ex-secretário de Saúde, Marivaldo Lobão, casado com Josélia Sarney, irmã do presidente do Senado Federal, além de Karla da Costa Bastos, com R$ 3.240,00, sobrinha de Sarney.
Para complementar a “ajuda” aos familiares do senador, Ilka Furtado da Costa Sarney, com R$ 2.240,00, filha de Evandro Sarney, irmão do presidente do Congresso Nacional.
A folha que inclui apenas os parentes da prefeita Bia Aroso, a parentalha de Sarney, os familiares do ex-prefeito de Paço do Lumiar, Mábenes Fonseca, empresários, socialites, atinge a cifra de R$ R$ 321.285,00. Uma folha que nunca atrasa. O blog publicou (post abaixo) com exclusividade.
Enquanto isso, a maioria dos funcionários da Prefeitura de Paço do Lumiar recebe mísero salário e, na maioria das vezes, com atraso.
A nata da família da prefeita Bia Aroso embolsa os melhores salários. Ela como prefeita percebe R$ 12.384,00 mensais, o segundo maior do Maranhão.
O ex-marido Amadeu da Cunha Santos Aroso leva para casa todos mês R$ 8.090,00. O filho, como não poderia ficar de fora, ganha a mesma quantia do pai: R$ 8.090,00.

BOMBA! FOLHA DE PAGAMENTO DE PAÇO DO LUMIAR TEM PARENTES DE SARNEY, AMADEU AROSO,MABENES FONSECA E OUTROS FIGURÕES...

Do blog do Luis Cardoso

Com exclusividade, o blog mostra a folha de pagamento mensal da Prefeitura de Paço do Lumiar que contempla parentes  da família Sarney, da prefeita Bia Aroso (ou Venâncio), do ex-prefeito Mábenes Fonseca, de socialites, empresários e outros apadrinhados.
Uma folha que nunca teve seus salários atrasados. E com vencimentos acima do que ganha a maioria dos barnabés de Paço do Lumiar.
Com um simples detalhe: boa parte do contemplados sequer aparece para bater o ponto. O salário da prefeita, de mais de R$ 12 mil mensais, é um acinte.
Veja abaixo a folha santa de Paço deo Lumiar, os nomes e seus respectivos gordos salários:








GOVERNO ROSEANA SARNEY DESVIRTUA EMPRÉSTIMO DE 290 MILHÕES.



O governo Roseana Sarney resolveu quase um ano depois mudar a finalidade do contrato de empréstimo com o BNDES de R$ 288.728.000,00, realizado em outubro de 2009 para a pavimentação de estradas no Maranhão.




De acordo com o Diário Oficial, foi assinado um termo aditivo que permite que esses recursos sejam aplicados em despesas de capital constantes no orçamento de 2009 e 2010.



Ou seja, como o governo agora poderá pagar qualquer serviço previsto no orçamento, inclusive as emendas dos deputados e outras “obras”, que não sejam necessariamente “estradas”.



Com o gasto incontrolável, o cofre do estado ficou praticamente vazio, o que estava impossibilitando o governo a honrar alguns compromissos e prometer outros em plena campanha eleitoral.



Há quem diga que sem o carimbo de estrada, esse dinheiro servirá para abrir caminhos para o dia 3 de outubro, e não os 1.550 km de rodovias maranhenses, como estava previsto.



O aditivo foi assinado no dia 15 de julho deste ano.

Zé Reinaldo destaca aceitação à candidatura e diz que governar é não enganar as pessoas

Do jornal pequeno

O candidato a senador pelo Maranhão, José Reinaldo Tavares (PSB), destacou no programa eleitoral veiculado na TV nesta segunda-feira, 23, a grande aceitação dos maranhenses à mensagem de renovação política no Maranhão. Em depoimentos, os eleitores disseram estar cansados das mesmas promessas.




“Alguns já foram governadores, senadores. Por que não fizeram ainda? Eu fui governador do Maranhão e posso dizer que, mesmo com todas as dificuldades, não medi esforços para que cada família do nosso estado tivesse uma vida mais decente. Fomos o estado que mais assentou famílias rurais pelo programa nacional de crédito fundiário e, olha, que eles haviam extinguido a Secretaria de Agricultura”, disse Zé Reinaldo, comparando o governo com os anteriores de Roseana Sarney (PMDB).



Entre outras ações, o primeiro lugar para o Maranhão no ranking de financiamentos pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), saindo também do pior índice de exclusão social do Brasil. O governo Zé Reinaldo diminuiu em 15% o número de pessoas sem acesso a água no Maranhão. Ou seja, 900 mil maranhenses passaram a ter água em suas casas e 600 mil pessoas passaram a ter saneamento básico.


“Não precisamos de efeitos especiais no nosso programa, aqui mostramos a realidade que mudou. Governar é não enganar as pessoas”, finalizou o ex-governador do Maranhão, parafraseando o slogan do atual governo do estado.

FLÁVIO DINO É RECEBIDO CALOROSAMENTE PELO POVO NAS RUAS DE TUNTUM.


A população da cidade de Tuntum deu uma grande demonstração espontânea de apoio ao candidato ao governo do Maranhão, Flávio Dino. No início da noite de segunda-feira, 23, o povo da cidade saiu às ruas para caminhar e participar de um comício com Flávio Dino. Ele estava acompanhado da sua candidata a vice-governadora, Miosótis, de diversos candidatos a deputado estadual e federal, do prefeito de Caxias, Humberto Coutinho, e de várias lideranças partidárias e de movimentos sociais do municípios.


Carros de som, motocicletas e uma imensa fileira de carros receberam a visita de Flávio Dino à cidade. No início da avenida Seabra de Carvalho, uma multidão esperou o candidato. A população demonstrou apoio com várias faixas, cartazes, apitos e muitos gritos. Flávio Dino caminhou por toda a extensão da avenida, sendo muito bem recebido pela população, que o abraçava, cumprimentava e disputava um lugar para chegar mais perto do candidato. A caminhada encerrou em frente ao posto Juliana, onde foi realizado um comício.

O candidato da coligação Muda Maranhão agradeceu o apoio e se disse emocionado com o entusiasmo da população. “Vi nas casas da cidade muitas fotos com o cartaz da nossa adversária. Mas até nessas casas as pessoas se mostraram entusiasmadas com a nossa presença, pegavam a nossa bandeira e saíam para nos abraçar. Muitas pessoas também vieram caminhas com a gente e ouvir as nossas propostas hoje. Uma demonstração de carinho desse tamanho reforça a minha certeza: a de que a nossa campanha está no caminho certo e tem chances cada vez maiores de conseguir o segundo turno e sair vitoriosa”, disse Flávio Dino. Ele lembrou ainda que, como deputado federal, destinou R$3,4 milhões em emendas para a cidade de Tuntum.

Ele pediu que as pessoas que compareceram ao comício levem a mensagem da mudança da política no estado para toda a cidade. “Essa mensagem que vocês estão ouvindo aqui precisa ser passada adiante. Os nossos adversários já tiveram a oportunidade de governar. Eu nunca tive. Portanto, é isso que peço: uma chance, para ser o próximo governador do Maranhão, para fazer um governo com igualdade e justiça para todos os maranhenses”, pediu Flávio.

Comício

A candidata a vice-governadora, Miosótis Lúcio, também elogiou a calorosa recepção em Tuntum. “Cada dia tenho mais certeza de que a população elegerá Flávio Dino o próximo governador do Maranhão. A população já está cansada de não se sentir representada pelos seus governantes, de comparecer às urnas com um sonho e não ver esse sonho realizado. Com Flávio Dino, isso será diferente”, disse Miosótis.

A visita de Flávio Dino a Tuntum encerra o roteiro de viagem pelo médio Mearim, sertão Maranhense e região dos Cocais. Foi a décima quinta cidade visitada por Flávio Dino em três dias. Nesta terça-feira, 24, Flávio retorna a São Luís para nova agenda de campanha.

Da assessoria

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Denúncias de contas ilegais no exterior viram problema para clãs Sarney e Murad


EVASÃO DE DIVISAS


Existem indícios de que há quase duas décadas integrantes das duas famílias transferem dinheiro, ilegalmente, do Brasil para contas secretas em bancos do exterior


POR OSWALDO VIVIANI


Depois da revelação, na semana passada, pelo jornal O Estado de São Paulo, de que a governadora Roseana Sarney Murad (PMDB) simulou um empréstimo de R$ 4,5 milhões para “lavar” 1,5 milhão de dólares que possuía num banco suíço, fato desmentido por ela em nota encaminhada ao jornal paulista, já são cinco os integrantes dos clãs Sarney e Murad suspeitos de terem contas secretas no exterior. Jorge Murad (marido de Roseana), Fernando Sarney (irmão da governadora), a mulher deste, Teresa Murad Sarney, e até o sempre cuidadoso José Sarney (PMDB-AP) também viram ser exposta à luz, em menos de dois anos, pela imprensa ou por órgãos investigativos, a ponta de um iceberg de divisas evadidas do país.

Ter dinheiro no exterior não é crime, desde que devidamente declarado à Receita Federal. Existem indícios de que ao menos desde 1993 integrantes da família transferem dinheiro, ilegalmente, do Brasil para bancos do exterior. Relembre o que já foi divulgado sobre as contas secretas de membros das duas famílias.Ter dinheiro no exterior não é crime, desde que devidamente declarado à Receita Federal. Existem indícios consistentes de que ao menos desde 1993 integrantes da família transferem dinheiro, ilegalmente, do Brasil para bancos do exterior. Relembre o que já foi divulgado sobre as contas secretas de membros das duas famílias.

Fernando Sarney e Teresa Murad
Em janeiro de 2009, o Jornal Pequeno divulgou em primeira mão que Fernando José Macieira Sarney e Teresa Cristina Murad Sarney – donos do Sistema Mirante de Comunicação – mantinham contas no exterior não declaradas ao Fisco. A comprovação do crime financeiro foi obtida pela Polícia Federal, por meio de “grampos” telefônicos e interceptações de e-mails do casal, no bojo da Operação Boi Barrica (rebatizada Faktor). O JP teve acesso ao inquérito.

Em julho de 2009, Fernando seria indiciado por quatro crimes: formação de quadrilha, gestão de instituição financeira irregular, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Em maio último, ele sofreu o quinto indiciamento, exatamente por evasão de divisas. Teresa Murad não foi indiciada por evasão de divisas, mas responde por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e crime contra o sistema financeiro.

Na reportagem de janeiro de 2009, o JP revelou que Fernando Sarney, sua mulher e seus amigos (ex-colegas de faculdade do empresário) movimentavam contas ilegais na China, nos Estados Unidos e num “paraíso fiscal” das Bahamas. Segundo a PF, as contas ilegais dos donos da Mirante poderiam ter o objetivo de sonegar impostos ou alimentar “caixas 2” das campanhas eleitorais de integrantes da família Sarney (ou as duas coisas).

Num dos vários e-mails interceptados pela Polícia Federal, Teresa Sarney informa a uma pessoa identificada como Zoca (duailib@hotmail.com) sua conta no exterior para o depósito de mil dólares: “Zoca, a conta para depósito dos mil dólares é essa: Wells Fargo Bank, Account # 6016793382 Routing 121042882. Vê com Rodrigo se falta algum dado e qualquer coisa me avisa. Quando ele chegar aqui pagamos diretamente pra ele. Bjs.”. O Wells Fargo tem sede em San Francisco (estado da Califórnia, costa oeste dos Estados Unidos).

Além desse e-mail, a PF obteve a cópia de uma autorização, assinada por Fernando Sarney, para transferir um milhão de dólares de uma conta no Caribe para outra num banco de Qingdao, na China.

A remessa, não declarada à Receita Federal, teve como destino a conta da empresa Prestige Cycle Parts & Accessories Limited, que pelo nome, em inglês, seria uma empresa de peças e acessórios de bicicletas. Antes de chegar à China, o dinheiro transitou por bancos de Nova York.

Os investigadores também interceptaram mensagens eletrônicas nas quais o empresário Gianfranco Perasso (membro ativo do “esquema Fernando Sarney”, segundo a PF) faz referência a um pagamento de 26,6 mil dólares feito à empresa Morgan & Morgan, com sede no Panamá. A M&M é um escritório especializado em gerenciar empresas terceirizadas que atuam em outros países (offshores), particularmente em “paraísos fiscais”.

Gianfranco Perasso ainda teve interceptado pela PF um e-mail em que ele trata de um depósito feito no banco Credit Suisse, localizado em Nassau, nas Bahamas, notório abrigo de empresas que querem fugir do Fisco.

Em março passado, uma conta de US$ 13 milhões de Fernando Sarney foi bloqueada na Suíça pelo governo daquele país. Os depósitos foram rastreados a pedido da Justiça brasileira, dentro de uma série de ações que são desdobramentos da Operação Boi Barrica.

O bloqueio ocorreu quando Fernando tentava transferir recursos daquele país para o principado de Liechtenstein, conhecido paraíso fiscal entre a Áustria e a Suíça.

Nem Fernando Sarney nem seus advogados quiseram se manifestar sobre esses casos, alegando que o inquérito corre sob segredo de Justiça.

Roseana Sarney e Jorge Murad

O primeiro indício do envolvimento do casal Roseana Sarney/Jorge Murad com evasão de divisas e lavagem de dinheiro aconteceu com a apreensão, pela Polícia Federal, de 20 computadores e milhares de documentos feita no segundo semestre de 2001no escritório da empresa A.C. Rebouças & Consultores, em São Luís.

Segundo a PF, a A.C. Rebouças era a “lavanderia” de dinheiro dos negócios escusos de Jorge e Roseana, donos da empresa Lunus, onde em 1º de março de 2002 seria encontrada pela PF a dinheirama até hoje inexplicada de R$ 1,34 milhão.

As offshores criadas pela A.C. Rebouças, seis no total, tinham sede nas Ilhas Virgens e no Uruguai, mas seus fundos eram administrados na Suíça. Todas estavam em nome de “laranjas” de Aldenor Cunha Rebouças, proprietário da A.C. Rebouças, que tinha antiga relação de amizade com a família Murad.

A exemplo do banco UBS, revelado pelo “Estadão” na semana passada, outro banco suíço já havia aparecido na vida de Roseana Sarney e Jorge Murad. Foi em março último, quando um ex-diretor da filial das Ilhas Cayman do Julius Bär Bank lançou o livro “Bankenterror” (“Terror Bancário”).

Na obra, o autor Rudolf Elmer afirma que Roseana Sarney era uma das clientes do banco e o nome de sua conta era “Coronado”. Já o site independente Wikileaks vai mais além. Diz que a conta “Coronado” no Julius Bär estava em nome de Roseana e Jorge Murad, que foi aberta em 27 de setembro de 1993 e que por ela passaram US$ 150 milhões até 1999.

Finalmente, na edição de domingo passado (15), o jornal O Estado de S. Paulo publicou que documentos que estão nos arquivos do falido Banco Santos indicam que Roseana Sarney e Jorge Murad, simularam um empréstimo de R$ 4,5 milhões, em nome da Bel-Sul Administração e Participações Ltda (uma das empresas do casal) para resgatar US$ 1,5 milhão que possuíam no banco suíço UBS.

A “manobra financeira” foi realizada em julho de 2004, quatro meses antes de o banco quebrar – a instituição passa por intervenção judicial até hoje. O dono do banco era Edemar Cid Ferreira. Amigo íntimo da família Sarney, Edemar foi padrinho de casamento de Roseana e Jorge, assim como estes são padrinhos do casamento do ex-banqueiro.

“Lavado”, o dinheiro foi, segundo os documentos, investido na compra de participações acionárias em dois shoppings, um em São Luís [São Luís Shopping] e outro no Rio de Janeiro. O Banco Santos teria servido apenas como ponte para Roseana e Jorge Murad usarem os dólares depositados lá fora. É o que o mercado financeiro batiza de operação “back to back”.

Roseana e Jorge não se manifestaram após a publicação na imprensa dos casos AC Rebouças e Julius Bär.

Em relação à reportagem publicada pelo “Estadão”, o casal informou ao jornal, por meio de seu advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, que desconhecem a operação financeira no exterior e que o empréstimo foi regular no Brasil. “Eles [Roseana e Jorge Murad] desconhecem a existência desses documentos sobre recursos no exterior. Esse é um problema que o banco tem de explicar. O empréstimo foi regular e quitado. Essa história é fantasiosa”, disse Almeida Castro.

Roseana contesta matéria do ‘Estadão’ e fala em denuncismo

A governadora Roseana Sarney, candidata à reeleição pela coligação “O Maranhão Não Pode Parar”, contestou assim a matéria publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, a respeito de uma transação bancária feita há seis anos:

“Requentam-se velhas e surradas denúncias na falta de denúncia nova. É de se lamentar que setores tradicionais da imprensa se prestem a esse serviço, mesmo sabendo que as pessoas estão atentas. Por que não questionaram isso antes? Por que só agora que estamos em pleno período eleitoral e eu sou candidata à reeleição? Por que requentar uma denúncia agora?”

Ela completou: “Infelizmente, pequena parte da política no Maranhão ainda é feita por pessoas adeptas do jogo sujo e imoral, do denuncismo barato e eleitoreiro. No passado me prejudicaram, mas desta vez será diferente. Meus advogados já estão preparando o documento jurídico necessário para levar os responsáveis à Justiça, em todos os níveis que forem necessários.”

Em nota, Roseana afirmou que O Estado de S. Paulo criou um fato em cima de uma operação bancária normal. “Um empréstimo contraído e pago às claras, com todos os papeis que o tipo de transação requer. É de um oportunismo sem igual querer se valer disso para repetir velhas fórmulas visando confundir a opinião pública. Das vezes anteriores eles nos acusaram, nunca provaram nada e ficou por isso mesmo. Agora vamos reagir e exigir que se explique o verdadeiro sentido dessa manobra”.

“O empréstimo contraído e pago legalmente é fato, e os desdobramentos sugeridos pelo jornal são suposições passadas aos leitores de jornal em formato de um escândalo. A intenção evidente é confundir com o intuito de atingir minha honra e assim causar um dano político para a minha campanha, já que estamos em pleno período eleitoral e todas as pesquisas me dão uma liderança tranqüila na disputa pelo cargo de governador do Maranhão. Sem dúvida, repito, tem todo o perfil de uma ação encomendada”, disse Roseana.
José Sarney

Sobre supostas remessas ilegais de dinheiro ao exterior por parte do presidente do Senado, José Sarney, durante muito tempo o assunto ficou mais no campo da lenda – como a que apontava um engenheiro da Sabesp, Tauzer Garcia Quinderé (morto aos 50 anos, em 1982), como o “homem da mala”, que teria transportado as “economias” de Sarney do Brasil para a Suíça na década de 1970 e início da de 1980.

No entanto, em julho do ano passado, a revista Veja noticiou o que todos suspeitavam, mas ninguém ainda havia comprovado: Sarney teve conta no exterior não declarada entre 1999 e 2001.

De acordo com a publicação – que teve acesso a documentos do Banco Central, recolhidos por auditores e pela Polícia Federal, durante a intervenção no mesmo Banco Santos que agora aflige Roseana Sarney –, a movimentação financeira clandestina estava sob os cuidados de Vera Lúcia Rodrigues, secretária do então controlador do banco, Edemar Cid Ferreira.

Em 30 de outubro de 1999, a conta atribuída a Sarney (identificada como JS) registrava saldo de R$ 1,7 milhão depositado no exterior. A movimentação também mostraria uma coincidência de datas e depósitos, em junho de 2001: logo depois de uma viagem de Sarney e Edemar a Veneza, na Itália, onde o banqueiro teria entregue US$ 10 mil ao presidente do Senado, a secretária registrou essa remessa no histórico da conta.

Nos registros internos do Banco Santos, a movimentação da conta “JS” é atribuída ao senador porque os endereços e os contatos (secretárias em Brasília, São Luís e Macapá) são todos ligados a Sarney.

Sarney e Edemar Cid Ferreira disseram desconhecer os papéis em poder dos auditores do BC. O senador afirmou que não manteve recursos fora do país nesse período (entre 1999 e 2001).

domingo, 22 de agosto de 2010

FLAVIO DINO CRITICA GASTOS COM PROPAGANDA,REALIADOS PELO GOVERNO ROSEANA SARNEY




Do blog do Luis Cardoso

Na sequência de visitas à região do Médio Mearim, o candidato ao governo do Maranhão, Flávio Dino, criticou a disparidade entre os gastos do governo do estado com propaganda e o dinheiro gasto com educação e orçamento. Segundo os dados apresentados por Flávio Dino em seu discurso à população, o governo de Roseana Sarney gastou só em propaganda, desde o início do ano, cerca de R$ 30 milhões. Já educação e saneamento básico receberam, segundo Flávio Dino, cerca de R$ 5 milhões cada um.


Flávio Dino falou sobre a situação durante discurso após uma carreata em Lago do Junco, e repetiu a declaração num grande comício realizado logo depois, na cidade de Lago da Pedra. Ele disse que são dados como esses que justificam a mudança política do estado. “É por isso que a gente precisa mudar. Esta batalha que estamos lutando é a da mudança contra a continuidade, da verdade contra a mentira. E nós somos pessoas honestas.”, disse Flávio Dino. Ele lembrou mais uma vez à população sobre o ranking nacional do saneamento básico, divulgado no dia anterior e que mostra o Maranhão no último lugar. Atualmente, segundo essa estatística, apenas em 14 dos 217 municípios no Maranhão há residências com saneamento básico.

Durante o sábado, 21, Flávio Dino e sua comitiva passaram por Lima Campos, Pedreiras, Trizidela do Vale, São Bernardo do Mearim e Lago dos Rodrigues. As atividades do dia encerraram em Lago da Pedra, onde Flávio Dino liderou carreata e também participou de um enorme comício. O plano de governo da coligação “Muda Maranhão” delineia uma série de estratégias para beneficiar a região do Médio Mearim, como a construção de uma escola técnica estadual e hospitais para a região. Domingo, ele iniciou sua agenda pelo interior do Maranhão na cidade de São Luiz Gonzaga e concluiu com um grande comício à noite em São Mateus.

Apoio petista

O candidato ao governo também destacou o apoio massivo dos petistas de diversos municípios à sua candidatura. Em boa parte das cidades por onde passou na região do Vale do Mearim, Flávio Dino foi recebido pelo PT local. O presidente do PT de São Bernardo do Mearim também disse que apóia a campanha do candidato do PCdoB. “Flávio Dino representa o novo e tem tudo para dar um futuro melhor para o Maranhão, porque o atual governo não faz o suficiente para o povo do Maranhão. A gente vê o nosso estado para trás. O Piauí era pequeno e cresceu, o Ceará também. Só o Maranhão continua a mesma coisa e isso é culpa de nossos atuais administradores”, disse. Flávio Dino também recebeu o apoio do PT de Lago da Pedra. Representantes petistas de Lagoa Grande do Maranhão, Marajá do Sena e de Paulo Ramos também estiveram presentes no comício de Flávio Dino no Médio Mearim.

Flávio agradeceu o apoio dos presentes e garantiu à população de Lago da Pedra que o Maranhão não se arrependerá se escolher o caminho da mudança. “Eu tenho nome, tenho história e orgulho de quem sou. O meu objetivo é continuar trabalhando para andar sempre pelo meio do povo de cabeça erguida. Quero que vocês possam dizer que me ajudaram a fazer o melhor governo da história do Maranhão.”, concluiu.

Flávio Dino afirma que irá para o segundo turno e vencerá a eleição



Do blog do Manoel Santos Neto

O candidato da coligação “Muda Maranhão” (PCdoB, PSB e PPS), Flávio Dino, faz um balanço positivo de sua campanha rumo ao Palácio dos Leões: “Nossa candidatura está crescendo. Tenho a convicção da nossa presença no segundo turno e vamos ganhar as eleições”, declara Dino.


Ele avalia que o apoio à sua candidatura vem crescendo no interior do estado o que pode ser observado, segundo ele, a partir da mobilização espontânea que vem ocorrendo em vários municípios maranhenses por onde tem andado. “É claro, visível e bastante firme o sentimento de mudança, de necessidade de renovação da política do nosso estado”, afirmou.

Ao comentar o resultado da última pesquisa da Escutec divulgada no último dia 15, Flávio disse que há uma demonstração clara de que haverá segundo turno nas eleições deste ano, assim como um indicativo forte de sua presença no dia da votação em 30 de outubro.

“Essa tendência está clara”, resumiu. Na última sondagem da Escutec, Flávio Dino foi o único candidato que cresceu entre os três primeiros melhores posicionados. Saiu de 16,8% em julho para 18,2%. “Estamos confiantes e bastante otimistas. Nossa campanha está organizada e cresce a cada dia”, disse Flávio. Nesta entrevista ao Jornal Pequeno, ele faz uma análise de sua peregrinação em todas as regiões do Estado em busca de apoios:



Jornal Pequeno – Como o senhor avalia o atual estágio de sua campanha às eleições de outubro?

Flávio Dino – Nós estamos com uma campanha com muito crescimento; o que é importante é a tendência. A tendência de consolidação desse discurso da mudança, dessa proposta da renovação política, desse novo modelo de desenvolvimento.

Por isso eu estou plenamente satisfeito com essa fase da campanha. Nós cumprimos todos os nossos objetivos: afirmação da candidatura; enfrentamento de obstáculos, inclusive nacionais; consolidação de um campo político, democrático e popular; apresentação de propostas; divulgação da candidatura; todas as etapas, as metas previstas para essa primeira fase, foram atendidas. Agora vem, tenho certeza, um grande crescimento, que nos levará ao segundo turno.

JP – O que representa, no atual cenário político do Estado, a sua candidatura ao governo do Maranhão?

Flávio Dino – A indignação com o quadro de injustiça social. É a candidatura daqueles que não aceitam o abismo entre o Maranhão muito rico e uma população, infelizmente, muito pobre e abandonada. Temos os piores indicadores sociais do Brasil e o discurso central da minha candidatura é virar essa página do atraso, da injustiça social e afirmar um novo modelo de desenvolvimento capaz de fazer com que nosso povo tenha qualidade de vida, tenha direitos, tenha justiça social. Essa é a candidatura dos que acreditam e tem esperança que um Maranhão diferente é possível.

JP – Quais os eixos e diretrizes de seu programa de governo?

Flávio Dino – Um novo modelo de desenvolvimento que rompa com essa idéia de que grandes projetos irão salvar o Maranhão; porque é verdade que os grandes investimentos são importantes, porém são insuficientes. Precisamos ativar as múltiplas vocações econômicas que o Maranhão tem e, acima de tudo, apoiar os pequenos empreendedores do campo e da cidade, os trabalhadores urbanos e rurais, os setores sociais tradicionalmente excluídos e marginalizados.

Em vez do discurso ufanista e demagógico dos grandes projetos salvadores, pé no chão, apoio à economia real, apoio aos mais pobres, fazer crescer a nossa economia com justiça social.

O segundo eixo estruturante do nosso programa de governo é a boa e correta aplicação do dinheiro público, o enfrentamento da corrupção, a plenitude da transparência administrativa, a participação popular e o controle social. Com isso nós vamos garantir que o orçamento do Estado, hoje beirando a casa dos 10 bilhões de reais, seja bem utilizado, seja utilizado com honestidade.

JP – Qual sua impressão acerca das candidaturas dos demais candidatos, especialmente Jackson Lago e Roseana Sarney?

Flávio Dino – As demais candidaturas que estão colocadas na competição eleitoral representam propostas que já tiveram sua oportunidade, já tiveram sua chance, já tiveram sua vez. Por isso, há uma diferença entre a nossa candidatura e a candidatura da governadora Roseana Sarney e do Dr. Jackson Lago. Especialmente em relação à governadora Roseana Sarney, isso é bem evidente na medida em que ela representa o grupo político que está no poder desde 1966.

JP – O senhor acha que a Lei da Ficha Limpa poderá, de alguma forma, mudar o perfil destas eleições?

Flávio Dino – Já mudou, na medida em que a Lei da Ficha Limpa gerou um aumento da demanda ética na sociedade. Esse efeito pedagógico é altamente positivo e indiscutivelmente uma virtude consolidada da Lei da Ficha Limpa da qual tive a satisfação de participar, como deputado federal, da sua elaboração e da sua aprovação. Quanto à aplicação jurídica nós temos que esperar o pronunciamento do Supremo Tribunal Federal. Há muitas controvérsias. O Tribunal Superior Eleitoral tem afirmado a validade da Lei, o que é algo importante, porém, seguramente, esses conflitos serão dirimidos no Supremo. Por prudência e por formação profissional, não me compete opinar sobre aquilo que o Supremo decidirá e sim apenas aguardar. O que importa é que eu estou pronto para qualquer cenário em relação à eleição maranhense.

JP – Como está se dando a participação dos partidos que compõem a sua coligação – Muda Maranhão (PCdoB, PSB e PPPS) – nestas eleições?

Flávio Dino – Uma participação baseada na força da militância dos movimentos sociais, na força do nosso povo, que acredita na mudança e que deseja ver algo novo, uma política renovada no nosso estado. Nós acreditamos que esse sentimento, que nós enxergamos nas nossas atividades de rua, nas carreatas, nas caminhadas, nos comícios, é a marca da coligação “Muda Maranhão”.

JP – Qual sua análise da atual representação do Maranhão no Senado da República?

Flávio Dino – O Senado é uma Instituição de grande importância e por isso é preciso buscar representantes para o nosso estado que dêem a visibilidade necessária às reivindicações do nosso povo. Por isso a nossa coligação apresenta dois candidatos ao Senado. Em primeiro lugar, o ex-governador José Reinaldo, um homem de experiência administrativa e muita coragem pessoal, que, sem dúvida alguma, merece estar lá no Senado Federal, e a candidatura do professor Adonilson. Uma jovem liderança política da região tocantina, do sul do Maranhão, comprometido com a educação, oriundo, como eu, das lutas estudantis, e da juventude. Uma pessoa que tem as credenciais também para representar o nosso estado lá em Brasília.

JP – Como o senhor avalia as demais candidaturas ao Senado: Lobão, João Alberto, Vidigal, Roberto Rocha, Noleto, Paulo Rios etc?

Flávio Dino – As candidaturas do campo da governadora Roseana Sarney são nomes muito conhecidos, que já estiveram no Senado. É a hora de dar oportunidade para outras pessoas.

JP – Com a experiência de quem teve uma destacada atuação na carreira jurídica e na magistratura, sendo eleito depois deputado federal, sendo candidato à Prefeitura de São Luís e agora candidato a governador do Maranhão, como o senhor se define – na atual circunstância – à guisa de um breve perfil ?

Flávio Dino – Eu sou uma pessoa que desde muito jovem luta por justiça social. Desde os 15 anos de idade tenho uma atuação nos movimentos sociais de São Luís, do nosso estado. Essa foi a minha escola. Fui advogado de sindicatos e sempre mantive, mesmo na magistratura quando não podia ter atuação político-partidária, uma postura de mudança do Judiciário, de mudança do sistema de Justiça no sentido de torná-lo mais acessível, mais rápido, mais condizente com a sua gigantesca tarefa de garantir a concretização dos direitos da nossa população.

Então eu me sinto muito bem cumprindo o papel de porta-voz dos pobres, dos injustiçados, dos excluídos, dos marginalizados, daqueles tradicionalmente esquecidos na política maranhense.

Cumpro esse papel com sentido de missão, de serviço público e com muita humildade, mas com muita determinação, muita coragem, muita convicção de que a nossa candidatura, nesse instante, representa o caminho para que o Maranhão possa virar a página da história e chegar a outro patamar, em que as leis sejam cumpridas e nós deixemos de ser, nacionalmente, um exemplo daquilo que não funciona bem. O Maranhão não é isso. O Maranhão é um estado importante, de gente honesta e trabalhadora. Por isso, nós precisamos mudar a política do nosso estado.

JP – Hoje, o PT do Maranhão é mais Flávio Dino ou é mais Roseana Sarney?

Flávio Dino – Todos os dias nós temos a resposta. Os petistas do Maranhão estão conosco, caminham conosco, levam as bandeiras do PT para as nossas atividades, discursam nos nossos comícios. Apenas uma pequena parte do PT trilhou o caminho da incoerência, o caminho de não ser fiel à tradição de luta do Partido dos Trabalhadores, de abandonar compromissos históricos que o PT assumiu no Brasil e no Maranhão. A nossa coligação é do PCdoB, do PSB com PPS e, também, de uma imensa maioria do Partido dos Trabalhadores.

JP– E como fica a sua posição em relação à sucessão presidencial? A sua campanha será um palanque aberto para a campanha de Dilma Roussef?

Flávio Dino – Nacionalmente nós participamos do arco de alianças que sustenta a candidatura da ministra Dilma. Acredito que o presidente Lula fez um grande governo e, por isso, essa obra administrativa deve continuar, e quem representa essa continuidade é exatamente a candidatura da ministra Dilma. Por isso, eu voto na ministra Dilma para presidente da República.

JP – Como candidato ao governo do Maranhão, como fica sua relação com o seu principal adversário nas eleições de 2008, o atual prefeito de São Luís, João Castelo?

Flávio Dino – Essa é uma eleição estadual e nós temos que debater os problemas do estado. Os temas municipais deverão ser tratados no momento próprio. Continuo esperando e desejando que o prefeito João Castelo faça uma boa administração em favor do povo de São Luís.